quinta-feira, 21 de julho de 2011

O combate à hepatite dentro dos salões de beleza

Higiene e esterilização dos materiais usados por manicures e pedicures são importantes na prevenção de novos casos da doença

Fazer as unhas é tradição na rotina da maioria das mulheres, que preocupadas com a boa aparência e claro, em nome da vaidade, abrem um espaço sagrado em suas agendas para fazer uma visita semanal à manicure. Porém, o simples fato que fazer as unhas com uma profissional capacitada, dentro de um salão de beleza, não são garantias de que a saúde da cliente – e também da manicure – esteja assegurada.

Surtos de hepatite, causados pela disseminação dos vírus tipo B e C, são motivos de alerta para a população e órgãos de saúde. O vírus age silenciosamente e costuma atacar o fígado durante anos, provocando uma inflamação e, muitas vezes, evoluindo para quadros mais graves. Na maioria dos casos, o diagnóstico da doença é realizado décadas após a infecção.

A divulgação de métodos preventivos que impedem a infecção pelo vírus é necessária para que a população redobre a atenção e incorpore no seu dia a dia cuidados básicos e eficazes. Os salões de beleza, apontados como um dos grandes vilões na disseminação da hepatite – outros vilões são as agulhas descartáveis e preservativos -, cada vez mais se preocupam com a segurança de suas clientes e profissionais, procurando se manter alertas quando o assunto é higiene e a correta esterilização de equipamentos como alicates, e espátulas.

Aline Conterno, gerente da filial do Fuzz Cabeleireiros e Estética do Primavera Garden Center, em Florianópolis, afirma que o salão segue as mais altas normas de higiene quando o assunto é esterilização. “Antes da utilização do material de manicure ou pedicure na cliente, ele é lavado e obrigatoriamente passa por um processo de esterilização no autoclave, aparelho específico para este fim, utilizado também em clinicas e hospitais”, explica.

Apesar da segurança fornecida pelo processo de esterilização pela autoclave, este procedimento, por si só, ainda não é o suficiente na hora de barrar a contaminação da hepatite.

“O material de manicure e pedicure é utilizado apenas em uma cliente, não sendo reutilizado sem passar por um novo processo de esterilização. Utilizamos também um kit individual para pés e mãos, que possui luvas e sapatilhas com creme emoliente, palito e lixa descartáveis. Além disso, as profissionais do Fuzz recebem três doses da vacina contra hepatite, para se
protegerem”, afirma Aline.

Mas é claro que os cuidados para prevenir a infecção vão além da escolha correta do salão de beleza. Atualmente existem vacinas para os vírus A e B, oferecidas gratuitamente pelo SUS para profissionais da saúde, imunossuprimidos, coletores de lixo, manicures, pedicures, entre outros.

Ter um kit pessoal na hora de fazer as unhas, formado não só por alicate, mas também acetona, palito e espátula, também é uma boa dica, porém não colocada em prática por grande parte das clientes. “Elas raramente trazem seu próprio kit, pois sabem que o nosso material é esterilizado. As clientes que possuem seu material em casa, se quiserem, podem nos procurar que faremos o processo de esterilização”, finaliza a gerente do Fuzz Primavera.

Cuidados simples, que por alguns pode até ser interpretado como neurose, são fundamentais para evitar que o vírus da hepatite se hospede em novas vítimas. Beleza e saúde, quando aliadas, são fundamentais.


Dicas importantes para as profissionais

- Antes de atender cada cliente, lavar as mãos ou usar álcool gel.
- Usar luvas, lixas e palitos descartáveis no atendimento de cada nova cliente.
- Usar uma toalha limpa ou descartável.
- Lavar os alicates, a espátula e outros instrumentos metálicos reutilizáveis com água, sabão e escova, e enxugá-los com toalha limpa.
- Colocar o material lavado no envelope próprio para esterilização e, em seguida, acomodá-lo na estufa ou na autoclave, respeitando as instruções de uso de cada um dos aparelhos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário